Aquarela – Libélula #01

 

Então resolvi tirar a poeira da aquarela mais uma vez. Relembrar como se estica um papel próprio para aquarela e que mesmo assim enruga com a água. Cometer muitos erros e terminar com uma aquarela terrível. Acho que existem muitas obras terríveis que são boas na verdade. Mas não foi o caso dessa aqui.

O primeiro foi ter esticado o papel com pouca água e não ter esperado o conjunto secar e se ajustar totalmente. O segundo foi não ter deixado as margens além do que foi coberto com a fita. Geralmente não consigo tirar ela sem danificar o papel. Então o melhor é cortar a área da pintura com estilete e descartar o restante. O terceiro foi usar um pincel que carrega pouca tinta pra fazer uma camada mais difusa que seria o fundo.

A fotografia que estou usando também não tem muita resolução. Então não consigo detalhar melhor o que acontece na libélula. Vou ter que usar outras referências se quiser melhorar a estrutura dela. Também acho que ela ficaria melhor se fosse pintada com o pincel seco.

O que mais me incomodou de fato foi o papel ter enrugado. Quando isso acontece as partes mais baixas acumulam mais tinta e as mais altas ficam mais claras. Nada contra usar isso a favor de algum tipo de expressão. Mas não foi o que eu esperava.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *